domingo, 22 de novembro de 2009

Temido Encontro

Diva entrou no Ducasse Rio Hotel e dirigiu-se para o restaurante onde sua mãe a esperava para almoçar.De longe ficou contemplando a genitora que não podia ve-la por estarem separadas por uma coluna .Percebeu que, como sempre, a mãe estava impecavelmente vestida.Estava calor e ela trajava uma calça branca de linho e uma blusa ferrugem ,sem mangas, gola canoa e um belo trapeado na cintura, fechando atrás com um pequeno laço.Saltos altos e cabelos muito bem presos.Colar de pérolas caindo sobre o busto numa só volta.Anéis e pulseiras douradas com detalhes também em pérolas.Era uma bela mulher que não aparentava a idade.Acabara de completar cinquenta anos e viajara para Chaidari para comemorar a data.Diva aproximou e curvou-se para beija-la.Ela fez menção de se levantar e as duas acabaram se abraçando meio sem jeito.

"Como está a senhora?"

"Muito bem,Diva e você,filha?"

Diva não respondeu e limitou-se a dar um sorriso.

"Tenho ligado muito pra você,mas não consigo que vc me atenda!"

"Ah,é que ainda estou de férias e não tenho atendido o celular para não ser incomodada pelo pessoal do Jornal."

"Sei.Quando terminam suas férias?"

"Semana que vem.Começo na segunda-feira"

"Então,vem comigo até Fernando de Noronha.Embarco amanhã.Você pode voltar no domingo".

"Não posso,Rose!Tenho outros compromissos que me impedem de me ausentar do Rio""Compromissos?"

Rose,fechou os olhos como se disesse "Por que não,MÃE?

"Mas,vc não está de férias?"

"Iniciei nova terapia e não posso faltar"

"Ah,não acredito!Continua com estas bobagens?Vc não precisa de terapia!Precisa viajar,dançar,divertir-se..."

"Já pediu o almoço?",cortou Diva!

"Não!Estava esperando por vc.O que quer comer"

Diva fitou a mãe com certo ar de indiferença e começou a contar as pérolas de seu colar.

Devido a demora da resposta,a mãe tornou a perguntar:

"O que gostaria de comer,Diva?"

"Ahn?Ah.eu não vou almoçar!Lembrei-me que tenho um encontro."

"Como assim,menina?(Diva odiava que a tratasse assim!)Marcamos de almoçar!Com quem vai se encontrar?"

"Com Melanie Klein"

"Ahn?Quem é essa?"

""Ah, você não conhece!".

O sangue de Diva fervia.Não,não conseguia conversar com a mãe!

Levantou-se ,tocou o braço da mãe numa breve e seca despedida.

"Me liga ,quando for para Noronha.Tchau!"

Rose ficou olhando a filha se afastar quase que correndo pela alameda que a conduzia fora do Hotel.Não,não conseguia compreende-la,por mais que se esforçasse!

6 comentários:

Vinicius disse...

Oi.

Eu tenho esse costume de contar. Sabe? Como a Diva "começava a contar as perolas do colar." Eu conto qualquer coisa. Eu achei interessante
o laço entre a mãe e a filha.

Abraço.

Evandro Varella disse...

Mais um elemento que aparece na vida de Diva, a mãe, aonde irá essa misteriosa e bela mulher...
Aguardaremos...
Beijos

MR disse...

ótimo esse episódio. deu para sentir a tensão no ar, a rigidez do encontro, a repulsão dos campos magnéticos de mesma polaridade entre as mulheres. São a mesma denominação.

EXAGERADO disse...

Oi,linda
Eu sabia que num conto psicológico ,tinha que ter uma mãe para ser culpada de tudo..mãe é sempre o mordomo de Freud!
Mas,estou gostando...vou acompanhando...

beijos

Débora disse...

Oi,Diva
Reli os textos que perdi e estou gostando muito da história de Diva.
Vou acompanhar!
Beijo

Marisa disse...

Oi,querida Diva

Essa Rose me pareceu muito frívola..claro que ela é culpada...as mães sempre são...rs

beijo